O IMPACTO EMOCIONAL DO ÓBITO DE PACIENTES NOS PROFISSIONAIS DE MEDICINA QUE ATUAM NO PRONTO-ATENDIMENTO

Palavras-chave: Impactos emocionais, óbitos, profissionais de mecidina

Resumo

A morte é um fenômeno natural que existe juntamente com a vida, mas torna-se uma difícil tarefa aceitá-la. Durante a formação acadêmica os profissionais de Medicina aprendem técnicas e habilidades para preservar a vida do paciente, quando este objetivo não é atingido estes colaboradores muitas vezes não conseguem lidar de maneira adequada com essa situação.  O fato de existir uma cobrança da parte da sociedade com relação aos atendimentos e procedimentos médicos pode fazer com que os profissionais internalizem esse compromisso e tem dificuldade em aceitar o óbito de um paciente. Além disso, tem-se também a cobrança pessoal, onde os profissionais podem encarar a morte de um paciente não como um processo natural da vida, mas também como um insucesso profissional. Diante dessas considerações, o objetivo deste trabalho é identificar quais os sentimentos manifestados por médicos frente a um paciente internado e como ele lida com o óbito deste. Para chegar a resultados mais conclusivos foi realizado uma pesquisa de campo com caráter qualitativo onde participaram cinco profissionais da Medicina atuantes no Pronto-Atendimento Airton Rocha do Hospital Geral de Roraima. Por fim foi comparado o estudo literário com a entrevista. Através disso pode-se dizer que os resultados obtidos através do questionário tiveram concordância com a literatura, chegando-se a conclusão que cada profissional lida com o óbito de maneira diferente, logo essa questão terá impactos distintos de acordo com cada ser humano, considerando as vivências profissionais suas reações podem ser semelhantes.

Biografia do Autor

Luana Comito Muner, Faculdade Cathedral

Docente do curso de Psicologia da Faculdade Cathedral (Boa Vista-RR), Doutoranda em Distúrbios do Desenvolvimento pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (São Paulo-SP), Graduada e Mestra em Psicologia pela Universidade São Francisco (Itatiba-SP) e psicóloga no Hospital Geral de Roraima (Boa Vista-RR). E-mail: luanamuner@gmail.com

Referências

ALMEIDA, L. F.; FALCÃO, E. B. M. Representação social de morte e a formação médica: A importância da UTI. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 37, n. 2, p. 226-234, 2013. Acesso em: 14 de mar. 2017.
AMARAL, M. X. G.; BARBOSA, L. N. F.; BRUSCATTO, W. L.; KAVABATA, N. K. Reações emocionais do médico residente frente ao paciente em cuidados paliativos. Revista da SBPH, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 61-86, 2008. Acesso em: 01 mar. 2017.
ANDRADE, E. O.; ANDRADE, E. N. A morte eminente, sua comunicação aos pacientes e familiares e o comportamento médico. Revista Brasileira de Clínica Médica, v. 8 p. 46-52, 2010. Acesso em: 30 de jun. 2017.
AZEREDO, N. S. G.; ROCHA, C. F.; CARVALHO, P. R. A. O enfrentamento da morte e do morrer na formação de acadêmicos de Medicina. Revista brasileira de educação médica, Rio de Janeiro, v. 35, n. 1, p. 37-43, 2011. Acesso em: 02 de jun. de 2017.
CAPRARA, A.; RODRIGUES, J. A relação assimétrica médico-paciente repensando vínculo terapêutico. Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n. 1, p. 139-146, 2004. Acesso em: 13 jul. 2017.
CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Código De Ética Médica: informações e documentação. Conselho Federal de Medicina [Online], 2010. Disponível em: . Acesso em: 03 fev. 2017.
EIZIRIK, C. L.; POLANCZYK, G. V.; EIZIRIK, M. O médico, o estudante de Medicina e a morte. Revista AMRIGS, Porto Alegre, v. 44, n. 1-2, p. 50-55, 2000. Acesso em: 21 de ago. 2017.
FIGUEIREDO, M. G. C. A.; STANO, R. C. M. T. O Estudo da Morte e dos Cuidados Paliativos: uma Experiência Didática no Currículo de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 37, n. 2, p. 298-307, 2013. Acesso em: 12 de abr. 2017.
GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010. Acesso em 13 de mar. 2017.
JUNIOR, A. S.; ROLIM, L. C.; MARRONE, L. C. O preparo do médico e a comunicação com os familiares sobre a morte. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 51, n. 1, p. 11-16, 2005. Acesso em 21 de mai. 2017.
KUBLER-ROOS, E. Sobre a morte e o morrer. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2008. Acesso em: 06 de jul. 2017.
LACERDA, A. Psicologia hospitalar. 1. ed. Campo Grande: Portal da educação 2012. Acesso em: 05 de mai. 2017.
MARTA, G. N.; MARTA, S. N.; FILHO, A. A.; JOB, J. R. P. P. O estudante de Medicina e o médico recém-formado frente à morte e ao morrer. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 33, n. 3, p. 416-427, 2009. Acesso em: 15 de abr. 2017.
MELLO, A. A. M.; SILVA, L. C. A estranheza do médico frente à morte: Lidando com a angústia da condição humana. Revista da Abordagem Gestáltica, v. 18, n. 1, p. 52-60, 2012. Acesso em: 02 de abr. 2017.
MOREIRA, S. N. T.; SILVA, C. A. N.; TERTULINO, F. F.; TERTULINO, F. M. F.; VILAR, M. J. P.; AZEVEDO, G. D. Processo de significação de estudantes do curso de Medicina diante da escolha profissional e das experiências vividas no cotidiano acadêmico. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 30, n. 2, p. 14-19, 2006. Acesso em: 09 de jun. 2017.
POLETTO, S.; BETTINELLI, L. A.; SANTIN, J. R. Vivências da morte de pacientes idosos na prática médica e dignidade humana. Revista Bioética, v. 24, n. 3, p. 590-595, 2016. Acesso em: 03 de jul. 2017.
REY, F. L. G. Pesquisa Qualitativa em Psicologia: caminhos e desafios. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002. Acesso em: 29 de abr. 2017.
RIBEIRO, M. M. F.; LEAL, S. S.; DIAMANTINO, F. C.; BIANCHI, H. A. A opção pela Medicina e os planos em relação ao futuro profissional de estudantes de uma faculdade pública brasileira. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 35, n. 3, p. 405-411, 2011. Acesso em: 17 de mar. 2017.
SADALA, M. L. A.; SILVA, M. P. Cuidar de pacientes em fase terminal: a experiência de alunos de Medicina. Interface [Online], 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832008000100002. Acesso em: 24 jul. 2017.
YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e método. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010. Acesso em: 23 de mar. 2017.
Publicado
2021-06-05
Como Citar
Guerreiro, M., & Muner, L. (2021). O IMPACTO EMOCIONAL DO ÓBITO DE PACIENTES NOS PROFISSIONAIS DE MEDICINA QUE ATUAM NO PRONTO-ATENDIMENTO. Revista Cathedral, 3(2), 11-25. Recuperado de http://cathedral.ojs.galoa.com.br/index.php/cathedral/article/view/294
Seção
Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

<< < 1 2